Carnaval na Quebrada

Article by ·

Com 9 milhões de foliões somente em 2018, segundo dados da SPTuris, o tradicional carnaval de rua de São Paulo já é um dos eventos de maior relevância na cidade. Apesar dos grandes números, as regiões mais afastadas do centro expandido – onde fica a maior concentração de blocos – sofre muitas vezes com a falta de recursos para literalmente, colocar o Bloco na Rua.

Com o intuito de agilizar a vida das pessoas que fazem o Carnaval acontecer nas periferias, o projeto Carnaval na Quebrada apoiou 11 blocos das regiões Sul, Norte e Leste de São Paulo.

Os blocos participantes do projeto, selecionados por meio de um edital oficial foram: Bloco do Jatobá (Itaquera), Bloco Afro Percussivo Batuquedum (Jardim Angela) e Blocx 100 lei (Vila Medeiros) foram as iniciativas escolhidas para receber o patrocínio. Já os blocos apoiados são: Bloco Cordão Folclórico de Itaquera Sucatas Ambulantes (José Bonifácio),Bloco Favela Chic (Penha), Bloco Na Labuta (Ermelino Matarazzo), Bloco Cordão do Congo (Brasilândia), Bloco no Hercu (Jardim Angela), Bloco Afro é di Santo (Piraporinha), Bloco Embondeiro Queixada (Perus) e Bloco União dos Bairros (Campo Limpo).

“O Carnaval na Quebrada é uma iniciativa totalmente alinhada com o propósito da Nextel, de agilizar o dia a dia das pessoas. Seja com conteúdo, cursos ou lazer, nosso objetivo é levar mais cultura e profissionalização para os bairros da periferia. Essas pessoas também fazem o carnaval acontecer e por isso temos muito orgulho de estar ao lado delas”, afirma Ana Clara Sant’Ana, head de Comunicação da Nextel.

O projeto também ofereceu cursos direcionados para o planejamento e execução dos desfiles, além de um intercâmbio de experiências entre blocos tradicionais da cidade e blocos locais das periferias, proporcionando uma troca de informações culturais muito rica para todos os participantes.

O “Carnaval na Quebrada” foi idealizado e patrocinado pela Nextel, em parceria com a Pipoca e viabilizado por meio do Programa de Municipal de Apoio a Projetos Culturais – Pro-Mac, e da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo (SP).